pokerstars

SEÇÕES

Piauí: 25 mil crianças não receberam tríplice bacteriana ao longo de 3 anos

No Brasil, o número de crianças sem imunização da vacina DTP foi de 1,6 milhão no mesmo período.

A vacina DTP é essencial para prevenir doenças como difteria, tétano e coqueluche. | Ministério da Saúde
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

No Piauí, 25 mil crianças não receberam nenhuma dose da vacina DTP nos últimos três anos, segundo relatório Situação Mundial da Infância 2023: Para cada criança, vacinação(The State of the World’s Children 2023: For Every Child, Vaccination), divulgado nesta quinta-feira (20) pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). Essa situação foi agravada pela interrupção de serviços de saúde durante a pandemia, sistemas de saúde sobrecarregados, falta de recursos e mudanças na percepção sobre a importância das vacinas. No Brasil, o número de crianças sem imunização da vacina conhecida como tríplice bacteriana foi de 1,6 milhão no mesmo período.

A vacina DTP é essencial para prevenir doenças como difteria, tétano e coqueluche. Além disso, o relatório mostra que 24 mil crianças do Piauí também não receberam nenhuma dose da vacina contra a poliomielite, doença que já foi erradicada no Brasil, mas que pode ressurgir caso a vacinação não seja retomada em todo o país.

O relatório também mostra que 24 mil crianças não receberam nenhuma dose da vacina contra a poliomielite (Foto: Marcos Lopes)Em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira (20), no Auditório da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), em Brasília (DF), a ministra da Saúde Nísia Trindade falou que o Brasil viveu um retrocesso na vacinação nos últimos anos e que a sociedade e entidades da saúde têm um grande desafio pela frente.

"Atualmente, o Brasil conta com uma cobertura vacinal das mais baixas de sua história desde a criação do Programa Nacional de Imunizações. Já tivemos 95% de cobertura em relação a vacinas como da poliomielite, e agora não chegamos a 60% de crianças vacinadas. Esse quadro tem que mudar. Para isso, de uma maneira muito clara, temos de combater o negacionismo em relação a essa proteção dada pelas vacinas e às fake news que, infelizmente, têm sido veiculadas de uma forma irresponsável e criminosa”, afirmou.

Para uma criança ser considerada imunizada, ela precisa tomar todas as doses recomendadas de cada imunizante e as doses de reforço, quando indicadas. O relatório global usa como base a tríplice bacteriana (DTP), que conta com três doses. No Brasil, de 2019 a 2021, 1,6 milhão de crianças não tomaram nem a primeira dose (DPT1), e outras 700 mil tomaram a primeira e/ou a segunda dose, mas não tomaram a terceira (DPT3). Isso leva a um total de 2,4 milhões de crianças não imunizadas. Os dados são semelhantes para a vacina contra a pólio, que também conta com três doses. No Brasil, 1,6 milhão de crianças não receberam nem a primeira dose (VIP1) contra a pólio, entre 2019 e 2021.

“Essas crianças foram deixadas para trás, ficando desprotegidas de doenças sérias e evitáveis. As crianças nascidas pouco antes ou durante a pandemia agora estão ultrapassando a idade em que normalmente seriam vacinadas, ressaltando a necessidade de uma ação urgente para alcançar aquelas que perderam as vacinas e prevenir surtos e a volta de doenças já erradicadas no Brasil, como a pólio”, explica Youssouf Abdel-Jelil, representante do UNICEF no Brasil", disse Youssouf Abdel-Jelil, representante do UNICEF no Brasil.

Os números brasileiros fazem parte de um desafio global urgente. Segundo o relatório, o mundo vive o maior retrocesso contínuo na imunização infantil em 30 anos, agravado pela pandemia de covid-19. Entre 2019 e 2021, as coberturas vacinais diminuíram em 112 países. 

A pandemia também exacerbou as desigualdades existentes. As crianças que não estão recebendo vacinas vivem nas comunidades mais pobres, remotas e vulneráveis. Nos domicílios mais pobres, uma em cada cinco crianças não receberam nenhuma vacina, enquanto nos mais ricos apenas uma em 20. O relatório identificou, ainda, que crianças não vacinadas vivem frequentemente em comunidades de difícil acesso, tais como zonas rurais ou favelas urbanas.

Percepção sobre importância das vacinas

O relatório Situação Mundial da Infância revela, também, que a percepção sobre a importância e a confiança nas vacinas para crianças diminuiu em 52 dos 55 países pesquisados. No Brasil, embora os índices continuem altos, houve uma queda de 10 pontos percentuais — antes da pandemia, 99,1% dos brasileiros confiavam nas vacinas infantis, e pós-covid-19 são 88,8%. 

Diferentemente dos resultados globais, no Brasil, a queda de confiança foi mais acentuada entre homens mais velhos (maiores de 65 anos). Na maioria dos países pesquisados, a queda foi maior entre mulheres e pessoas com menos de 35 anos.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pokerstars Mapa do site