pokerstars

SEÇÕES

Pais deixam de vacinar filhos contra doenças controladas, revela pesquisa

Percentual ainda é considerado pequeno, cerca de 16%, mas preocupa especialistas

Doenças consideradas controladas podem voltar se não houver vacinação | Tânia Rêgo/Agência Brasil
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Um dado preocupante foi revelado durante a 24ª Jornada Nacional de Imunizações. Ele mostra que 16% dos brasileiros consideram desnecessário aplicar nos filhos vacinas relacionados a doenças que já não circulam mais no país. 

Leia Mais

O dado é referente ao Inquérito de Cobertura Vacinal das crianças nascidas em 2017 e 2018. Para o inquérito foram realizadas mais de 38 mil entrevistas.

Mesmo parecendo pequeno em relação à amostra, o número gera preocupação entre especialistas. O país vem deixando de cumprir as metas de coberturas vacinais e apresenta queda nos números de vacinação desde 2015.

Vacinas de doenças consideradas eliminadas deixam de ser aplicadas - Tânia Rêgo/Agência Brasil

Poliomelite

Sem o cumprimento das metas, aumentam as chances de o Brasil voltar a apresentar doenças que, até então, eram consideradas eliminadas ou controladas, como a poliomielite.

Como o Brasil não registra casos da poliomielite desde 1989, muita gente pensa, equivocadamente, que não é mais necessário vacinar-se contra a doença. 

O que ocorre, no entanto, é que, quanto menos pessoas se vacinam, mais aumenta o risco de a doença voltar a se desenvolver no país.

A vacina é necessária para garantir imunização das crianças - OMS/ONU

Dificuldades

A pesquisa demonstrou ainda que um pequeno número de pessoas (cerca de 3% dos entrevistados) resolveu não levar os filhos para receber uma ou mais vacinas. Desse total, 24,5% informaram que não o fizeram por causa da pandemia de covid-19, ou por medo da reação às vacinas (24,4%).

Outros disseram ter tentado levar os filhos para tomar vacinas, mas encontraram dificuldades para fazê-lo (7,6% dos entrevistados). 

Longe da residência

A principal dificuldade relatada foi o fato do posto de saúde ficar longe da residência ou do local de trabalho (o que foi apontado por 21% dos que disseram ter tido dificuldades), seguido por falta de tempo (16,6%), horário inadequado de funcionamento do posto (14,1%) e até falta de meio de transporte para chegar ao local de vacinação (12%).

reprodução internet

“A consequência da hesitação vacinal, que é devida a múltiplos aspectos, é fazer com que a cobertura seja baixa. Isso permite o retorno de doenças já eliminadas como a poliomielite; [gera] dificuldades para eliminação do sarampo, que já tivemos; e aumento de casos de coqueluche, difteria e outras doenças imunodeprimíveis”, disse José Cassio de Moraes, professor titular da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenador do inquérito, em entrevista à Agência Brasil.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pokerstars Mapa do site