pokerstars

SEÇÕES

Pressionado pelos EUA, Israel revela plano para o futuro da Gaza pós-guerra

O plano de Gallant contrasta com as propostas dos Estados Unidos, que desejam uma revitalização da Autoridade Palestina, que governa a Cisjordânia

Ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant | Montagem/MeioNorte
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Na noite de quinta-feira (4), o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, apresentou um plano abrangente para o futuro da Faixa de Gaza após o fim do conflito com o grupo terrorista palestino Hamas, que governa a região há quase duas décadas. A iniciativa surge em resposta à pressão dos Estados Unidos, principal aliado de Israel, por propostas concretas para a região.

Os principais pontos do plano revelado por Gallant incluem:

  1. Controle de segurança: Após a derrota do Hamas, Israel manteria o controle de segurança em Gaza, com a presença de soldados israelenses, mas não civis, no território.
  2. Administração diária: Um órgão palestino, ainda não definido, guiado por Israel, seria encarregado de gerir a administração diária do enclave, contando com funcionários públicos locais ou líderes comunitários.
  3. Reconstrução: Estados Unidos, União Europeia e outros parceiros regionais assumiriam a responsabilidade pela reconstrução do território, que se encontra praticamente em ruínas.

O plano, porém, não é uma política oficial e ainda não recebeu a aprovação de outros ministros. Estabelece ainda que a ofensiva de Israel em Gaza continuará até a libertação dos reféns sequestrados em 7 de outubro e o desmantelamento das "capacidades militares e governativas" do Hamas. Somente após essas condições seria iniciada uma nova fase, na qual "o Hamas não controlará Gaza e não representará uma ameaça à segurança dos cidadãos de Israel".

Essas propostas foram apresentadas momentos antes da visita do secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, que busca evitar a escalada do conflito para uma disputa regional e delineia um futuro pós-guerra que inclua tanto judeus quanto palestinos.

plano de Gallant contrasta com as propostas dos Estados Unidos, que desejam uma revitalização da Autoridade Palestina, que governa a Cisjordânia. Washington também defende novas negociações para a criação de um Estado palestino ao lado de Israel. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, já descartou a proposta norte-americana.

Para mais informações, acesse visaliafirstassembly.com

Leia Mais


Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pokerstars Mapa do site