pokerstars

SEÇÕES

Frederick Wassef nega ter abrigado Fabrício Queiroz e não é o 'Anjo'

Estas são as primeiras declarações do advogado e ocorreram mais de 48 horas após a prisão de Queiroz

|
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

O advogado Frederick Wassef, dono do imóvel em Atibaia (SP) onde Fabrício Queiroz foi preso, afirmou neste sábado (20) que nunca falou trocou mensagens com Queiroz e que também não é o "Anjo" citado na investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro. Ele negou que tenha abrigado Queiroz por 1 ano, sem no entanto explicar o que então o ex-assessor fazia na casa onde foi encontrado.

Estas são as primeiras declarações do advogado e ocorreram mais de 48 horas após a prisão de Queiroz. Elas foram feitas em entrevista ao jornal "Folha de S. Paulo".

Wassef também negou que tenha mantido contatos com a família do ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro. "Não escondi ninguém", disse.

LEIA MAIS:Queiroz alegava problemas de saúde, mas fazia churrasco em Atibaia 

Ele se disse vítima de uma armação para incriminar o presidente Jair Bolsonaro, de quem é amigo. Wassef defende o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), no caso das rachadinhas, e também é advogado de Jair Bolsonaro.

TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO 

Malote

Wassef disse ainda que Queiroz foi submetido a duas cirurgias na Santa Casa de Bragança Paulista (SP). Segundo o advogado, o escritório dele estava em obras e, nas palavras dele, plantaram um malote lá. "Estão me atribuindo coisas que não fiz", disse. Ele não explicou a que malote se refere.

LEIA MAIS:Desembargadora nega prisão domiciliar para Fabrício Queiroz 

O promotor José Claudio Baglio, que fez parte da força-tarefa para cumprir o mandado de prisão de Queiroz e de busca e apreensão no imóvel, afirmou que nenhum malote foi apreendido. "Não tem nenhum malote apreendido. Tem o invólucro com o material que foi localizado na casa e que foi encaminhado para o Rio de Janeiro junto com o senhor Fabrício Queiroz no helicóptero."

Também neste sábado (20), o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, do Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decade), que coordenou a operação, afirmou que a apreensão foi feita pelo Ministério Público e que o malote da Polícia Civil foi emprestado apenas para transportar os pertences.

"O promotor falou invólucro, mas é o malote, é a mesma coisa, é a mesma coisa. A Polícia Civil não participou da apreensão, nós só demos apoio à entrada na casa e à prisão do Queiroz. Invólucro e malote é a mesma coisa. Esta afirmação do Wassef está equivocada. Ele deve ter visto um malote da Polícia Civil e confundiu as coisas", disse.

LEIA MAIS:Fabrício Queiroz tinha agenda com 'contatos' para ajuda em prisão

O que dizem as investigações

Mensagens apreendidas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) indicam que o ex-assessor parlamentar era monitorado por Wassef. Os investigadores acreditam que o apelido "Anjo", que aparece nas mensagens, era como Queiroz e outros investigados se referiam ao advogado.

Após a prisão de Queiroz, um dos caseiros do imóvel disse à Polícia Civil que o ex-assessor morava na casa do advogado Frederick Wassef havia cerca de 1 ano.

Segundo informou o delegado Nico Gonçalves, dois celulares foram apreendidos pela equipe do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado de São Paulo) durante a operação que prendeu Queiroz, além de documentos e uma quantia em dinheiro não especificada.

TV Globo



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pokerstars Mapa do site