pokerstars

SEÇÕES

Alta nos pedidos de seguro-desemprego indica 'freio' dos empregos formais

Quase 7 milhões de brasileiros pediram o benefício nos 12 meses terminados em junho, maior patamar desde a pandemia de Covid-19

Alta nos pedidos de seguro-desemprego indica 'freio' dos empregos formais | Reprodução
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

No decorrer do primeiro trimestre de 2021 até o segundo trimestre de 2023, o mercado de trabalho brasileiro experimentou uma sequência de otimistas desenvolvimentos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de desocupação no país apresentou uma significativa queda, passando de 14,9% para 8% ao término deste segundo trimestre, conforme divulgado na sexta-feira, dia 28. Essa redução representa um avanço promissor para a economia brasileira.

Apesar dos recentes avanços no mercado de trabalho brasileiro, alguns sinais de alerta começam a se manifestar no segmento formal, indicando um momento de desaceleração. De acordo com um levantamento realizado pela LCA Consultores, os pedidos de seguro-desemprego nos últimos 12 meses até junho atingiram quase 7 milhões, o maior número registrado desde o auge da pandemia de Covid-19, superando a média observada entre 2018 e 2019. Essa elevação nos pedidos de seguro-desemprego pode sinalizar desafios contínuos para a economia e para aqueles que buscam estabilidade no mercado de trabalho. 

O economista Bruno Imaizumi, da LCA, optou pelo biênio como um período representativo, pois este reflete o momento de acomodação do mercado de trabalho após a crise ocorrida nos anos de 2015 e 2016. Antes da chegada da pandemia, o país mantinha-se oscilando em torno de 6,5 milhões de pedidos de seguro-desemprego em um período de 12 meses. O uso dessa referência temporal permite uma comparação significativa entre o cenário pré-pandemia e o atual, oferecendo insights importantes sobre a evolução do mercado formal de trabalho no Brasil. 

Após esse período, houve um aumento significativo nos pedidos de seguro-desemprego, alcançando a marca de 7,2 milhões de solicitações, que foram contidos graças ao programa de preservação de empregos lançado pelo governo federal. Contudo, em meados de 2021, os pedidos voltaram a crescer, coincidindo com o término do período de estabilidade para os funcionários que tiveram seus contratos suspensos ou salários reduzidos. Esse cenário demonstra os desafios enfrentados na manutenção do mercado de trabalho e aponta para a necessidade contínua de medidas que visem à estabilização e ao estímulo da economia. 

Ao analisar outros indicadores do mercado de trabalho, percebe-se um cenário mais complexo e improvável. Nos últimos anos, apesar da melhora na ocupação, houve um crescimento significativo da informalidade, com índices ultrapassando os 40% em diversos trimestres desde então.

Quanto ao mercado de trabalho formal, os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) revelam uma tendência de menor criação de vagas formais no país. Essa realidade aponta para desafios na geração de empregos com carteira assinada e levanta questões sobre a estabilidade e a qualidade das oportunidades de trabalho no mercado formal. Nesse contexto, a economia enfrenta a necessidade de políticas e estratégias que busquem abordar tanto a informalidade crescente quanto a diminuição na criação de empregos formais.

Em junho deste ano, a economia brasileira registrou a criação de 157,19 mil empregos com carteira assinada. De acordo com o Ministério do Trabalho, nos seis primeiros meses de 2023, o país gerou um total de 1,02 milhão de vagas formais. No entanto, é importante destacar que esse número representa um recuo de 26,3% em comparação ao mesmo período de 2022, quando foram criados 1,38 milhão de empregos com carteira assinada. Esse declínio na taxa de geração de empregos formais levanta questões sobre a saúde da economia e a recuperação do mercado de trabalho, exigindo uma análise cuidadosa das condições econômicas e políticas que podem estar influenciando essa tendência.

O governo federal está almejando reverter o atual sentimento cauteloso dos empresários, buscando melhorias no ambiente econômico. Dentre as principais medidas em sua agenda estão a aprovação definitiva do arcabouço fiscal, o encaminhamento da reforma tributária e, eventualmente, a redução da taxa básica de juros.

À medida que nos aproximamos do mês de agosto, a próxima semana será marcada pelo fim do recesso parlamentar e pela reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), onde é esperada a primeira redução na taxa Selic em dois anos. Esses eventos serão acompanhados de perto pelos tomadores de decisão, investidores e analistas, uma vez que podem ter um impacto significativo nas perspectivas econômicas e influenciar o comportamento dos agentes econômicos no país.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Tópicos
pokerstars Mapa do site