pokerstars

SEÇÕES

Por que a intensidade dos orgasmos da mulher depende do assoalho pélvico - Função fisiológica também é importante

Contrações recorrentes dos músculos perineais foram identificadas em todas as mulheres durante o orgasmo - Função fisiológica também é importante

Slide 1 de 3
FACEBOOKWHATSAPPTWITTERTELEGRAMMESSENGER

Função fisiológica também é importante

O orgasmo feminino sempre esteve cercado por crenças que hoje em dia estão definitivamente desmistificadas. A esta altura, não há dúvida de que o orgasmo, tanto para homens quanto para mulheres, cumpre ao mesmo tempo uma função psicológica e fisiológica. Também não há discussão de que as mulheres têm o direito de sentir prazer sexual. Com informações da BBC Brasil.

Por isso, especialistas em medicina sexual e sexólogos devem disseminar certezas sobre a base biológica do orgasmo feminino para todas as mulheres, não hipóteses ou opiniões pessoais.

O 'orgasmo vaginal' não existe

Um exemplo claro é encontrado no termo "orgasmo vaginal" ou "orgasmo ativado via vagina". Ambos são frequentemente usados para se referir ao clímax obtido durante a penetração vaginal, sem estimulação direta do clitóris externo.

Uma evidência deste fenômeno é que em mulheres com agenesia vaginal (ausência congênita da vagina) as respostas sexuais da vagina artificial são idênticas às da vagina normal. O que acontece tanto em mulheres com vagina normal quanto com vagina artificial é que a musculatura perineal (do assoalho pélvico) se contrai durante o orgasmo.

Em todas as mulheres foram identificadas contrações recorrentes de diferentes músculos da região perineal. Especialmente dos músculos bulbocavernosos e isquiocavernosos.

Ambos os músculos se estendem de ambos os lados da vulva (no espaço delimitado pelos lábios genitais). Durante a excitação sexual (e a ereção do clitóris), eles se contraem de forma involuntária e contínua, favorecendo a excitação e provocando a ejaculação feminina.

Ao mesmo tempo, distúrbios sexuais estão associados a sintomas do trato urinário. Mais de 40% das mulheres com infecções urinárias recorrentes, incontinência ou prolapso uretral apresentam uma deterioração em sua vida sexual.

Isso acontece porque as alterações urogenitais costumam causar baixa libido, secura vaginal e diminuição da taxa e intensidade dos orgasmos. Todos estes fatores fazem parte do círculo vicioso de alteração estrutural e emocional que impede o desenvolvimento de uma vida sexual plena.



Participe de nosso grupo no WhatsApp, clicando nesse link

Entre em nosso canal do Telegram, clique neste link

Baixe nosso app no Android, clique neste link


Slide 1 de 3
pokerstars Mapa do site